Problemas respiratórios, como a sinusite, se tornam mais comuns no outono e no inverno devido a chegada dos dias mais frios e secos.

Sinusite é mais recorrente no tempo frio e seco, segundo especialista

A sinusite se torna mais comum no outono e no inverno devido a chegada dos dias mais frios e secos. De acordo com a Academia Americana de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço (AAO-HNSF), a doença afeta cerca de um a cada oito adultos nos Estados Unidos, sendo a causa da prescrição de antibióticos para adultos.

A sinusite é uma inflamação nas maçãs do rosto e na testa, além de atingir as vias respiratórias superiores. Segundo o otorrinolaringologista Flavio Henrique Barbosa, “em algumas regiões no mundo, até 40% dos adolescentes apresentam quadros da doença, sendo mais comuns em locais frios ou de grande variação climática”.

As mucosas existentes nas vias aéreas tendem a ressecar e ficarem irritadas com o tempo frio e seco, aliado a poluição. Dessa forma, elas se tornam um ponto propício para o aparecimento de bactérias e fungos, o que causa a infecção. A sinusite também pode decorrer de uma rinite, muito comum também e que pode ser alérgica ou viral.

Diagnóstico e tratamentos

“A doença pode ser aguda, quando os sintomas estão presentes por um período inferior a 12 semanas, ou crônica, quando o problema persiste por mais de três meses. Os casos mais graves são tratados com antibióticos”, explica o médico. Os principais sintomas da doença são cansaço, espirros, dor de cabeça na altura dos olhos, sensibilidade à luz, obstrução nasal, além de febre e tosse.

Para suavizar os incômodos, a orientação é que os pacientes façam lavagem nasal com soro fisiológico diariamente e mantenham uma boa hidratação tomando bastante água.

De acordo com o especialista, muitas pessoas que acreditam ter sinusite crônica, possuem na verdade um quadro recorrente de sinusite aguda. “O tratamento é diferente em cada caso, por isso é importante obter o diagnóstico correto. Nos casos da doença crônica, a cirurgia de sinusectomia pode ser uma opção para o tratamento e cura. Existem casos de sinusite fúngica, que não apresentam melhoras com antibióticos comuns. Além disso, existem exames específicos, como a nasofibroscopia, que ajudam no diagnóstico correto”, finalizou.

<